| Home  |  Índice | Introdução | Estágio 1 | Estágio 2 | Estágio 3 | Nível de Nicotina  | Como Parar de Fumar
Dependência | Comprar | Fale Conosco |


ESTÁGIO III:  APLICAÇÀO DO MÉTODO

CAPÍTULO X

PROGRAMA PARA A PRÁTICA DO MÉTODO PAULATINO ( MEPAM )

 

O programa elaborado para um período de 12 meses, consiste na aplicação das informações adquiridas, exercitando-se, em cada fase, a nova postura mental, reeducando seus conceitos e hábitos com relação ao vício de fumar.

Ao mesmo tempo, consistirá em diminuir a quantidade fumada, para acostumar o organismo a níveis paulatinamente menores de nicotina no sangue, habituando-o a um consumo reduzido de oito a dez cigarros por dia, quando, então, os sintomas provocados pela ausência de nicotina serão mais suportáveis.

Aí, então, a decisão final de parar de fumar, terá de ser tomada.

Acontece que por causa do nível reduzido de nicotina no sangue, será mais fácil de suportar estes sintomas e de seguir com o programa.

Antes de iniciar a primeira fase, faça um condicionamento mental,  exercitando a sua atenção e a percepção, identificando em quais circunstâncias você negará o cigarro.  Este exercício deverá ser repetido freqüentemente. (reler página 50);

Lembre-se: Os neurônios receptores da nicotina, deverão se readaptar a quantidades cada vez menores da mesma, até a sua ausência total (reler página 34).

1)  Primeira fase: Início do programa: reler o capítulo VII;  

Construir a plataforma de paz condicional (páginas 17 e 44);  
Realize os seguintes procedimentos:  

a) limitar a quantidade de cigarros fumada pôr dia (reler cap. IX);

b) fumar esta quantidade durante 3 meses;  
Neste período, você deverá ocupar a sua atenção com os procedimentos do   descondicionamento psicológico, exercitando-se nos novos hábitos.

a)  beber muita água; comer verduras, legumes e frutas ricas em vitamina C;

A água o ajudará a eliminar as substâncias através da urina, as fibras, pelo aparelho
digestivo.

b)  Fazer exercícios respiratórios e físicos, caminhadas e alongamento muscular;

c)  reler toda esta obra e ficar sempre atento aos ataques dos "bichinhos";

d)  Participar de reuniões (página 52).

  Com o objetivo de reeducar os seus conceitos sobre o hábito de fumar, faça uma série de ordenações à sua inteligência como, por exemplo:

    Não irei mais fumar!

    Eu conseguirei deixar de fumar, dentro deste programa estabelecido.

   Tenho de readquirir o autocontrole de minha mente e do meu pensamento, a fim de administrar este vício.

   Como poderei resolver questões maiores da vida se não consigo dominar esta fumaça?

   A minha dependência não é, somente, pela falta de minha vontade; mas, também, pela dependência química a que submeti o meu organismo. Com paciência, disciplina e esforço, reeducando a minha atenção, dirigindo-a a coisas mais importantes, com muito esforço mesmo e com o passar do tempo, libertar-me-ei, pois, utilizarei o tempo para colocar em prática o que estiver aprendendo.

  Estas afirmativas deverão ser memorizadas, a fim de que você as tenha como recursos, utilizando-as no momento de resistir às circunstâncias, que o impelem a fumar, não cedendo.  

Neste período, a sua participação nas reuniões será importante porque você encontrará a motivação e o compromisso, juntamente com os outros colegas, para seguir adiante.

  Assim, com mudanças significativas no seu comportamento e na sua maneira de pensar, você estará iniciando uma nova etapa de sua vida.

  Cuidado, a preguiça em iniciar ou continuar com este plano pode alcaná-lo.  O quê fazer ?

  Não permitir que ela o domine.

  Utilize a sua razão, raciocinando quanto ao seu objetivo e quanto aos malefícios, que o mau hábito de fumar lhe causa.  Faça a sua vida ser diferente, ser melhor.

  Utilize o recurso da paciência, que não é conformismo, nem ociosidade em "deixar tudo como está para ver como é que fica".

Ela é trabalho e ação, no sentido de identificar a dificuldade ou o problema a ser equacionado e/ou resolvido, administrando-o sem atitudes radicais ou extremistas em desistir ou desanimar.

  Lembre-se de que para abandonar o vício, você terá de lutar contra si mesmo, isto é, contra a sua vontade equivocada, que o impele a algo prejudicial para si e para os outros a quem ama.

  Em resumo, nesta primeira fase, você utilizará os seguintes  hábitos conscientes que poderão ser abandonados, mais tarde, quando desejado:

- cheirar o maço e os cigarros;

- reduzir a quantidade fumada diariamente;

- passar a observar o cigarro e a identificar as situações que o impelem a fumar;

- adquirir relativo autocontrole sobre a sua vontade de fumar.

2)  SEGUNDA FASE:  
Fortalecer e solidificar a sua decisão definitiva de parar de fumar.  

Lembre-se dos neurônios: reler a página 38. 

Cumprida a fase anterior, em que fumou os cigarros seguindo a orientação deste método, você ingressará nesta fase,  mais fortalecido e lúcido da sua capacidade de parar de fumar, em função da experiência adquirida.

Nesta segunda fase, você começará a reduzir o consumo em seis unidades fumadas, entre aqueles que fuma devido a dependência pela nicotina.

a)   Solidificar a paz incondicional  (páginas 17 e 44);

b)  Diminuir em 6 cigarros a quantidade fumada por dia;

c)   Durante três meses, fumar a quantidade programada e prosseguir com a reeducação mental;

d)  Beber muita água, comer verduras e frutas ricas em vitamina C;

e)   Continuar com os exercícios da fase anterior;

f)    Reler e estudar esta apostila.

g)   Continuar participando de reuniões (página 52);

  Portanto, além da redução conseguida na primeira fase, você reduzirá mais seis unidades dos cigarros fumados diariamente.                                

  Perceba que a quantidade de cigarros que deixou de fumar é significativa; fazendo com que o seu organismo sofra um processo de desintoxicação.  Com isto, ele ficará "mais limpo", acostumando-se com quantidades menores de nicotina e de outras milhares de substâncias, que serão expelidas pelo catarro, fezes, urina e transpiração.

Os sintomas de rouquidão e tosse serão bem vindos porque representa o sinal de que o organismo estará se limpando, desintoxicando-se.

Na medida em que o tempo passar, estes sintomas característicos aumentarão. Eles corresponderão ao desprendimento da "fuligem" impregnada em seus pulmões, com tantas substâncias maléficas, especialmente o monóxido de carbono, que formou o alcatrão.

  Veja a informação que a sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) nos dá: "Para um fumante, que, durante 20 anos, fumou um maço de cigarros por dia, acumula-se em seus pulmões 6 quilos de fuligem, devido ao gás carbônico, provocada pela queima do cigarro".

  O seu sistema nervoso estará alterado, por causa da ansiedade surgida pela redução no consumo de cigarros, provocando uma diminuição na taxa de nicotina do organismo.

  Isto é natural, perceba o quanto progrediu.

  Não tema, nem se descontrole; busque o equilíbrio.

  O descontrole emocional poderá fazer com que você seja indelicado, agressivo, intolerante com pessoas e situações ao seu redor.  Isso não é bom.

  Não precipite situações indesejáveis, com as quais não gostaria de conviver, e tirariam a sua tranqüilidade, prejudicando este seu programa de libertação do vício.

  Imagine um cavalo em disparada sem o pulso firme do cavaleiro: ele colocaria em risco de acidentes, aquele que estivesse montado.

  O mesmo acontece com o ser, como cavaleiro, com relação ao  pensamento e a vontade.

  Controle o ímpeto de suas atitudes e palavras, provocado pela ansiedade devido a ausência do cigarro.

Conquiste, com esforço próprio, uma vontade firme e controlada, para conter a sua impetuosidade.

  Releia a nova postura mental na página 53.

  Lembre-se: Esta ansiedade é passageira.  É um dos sintomas, que sentirá, em função das reações das células neurotransmissoras, que reclamam a volta dos 'bichinhos', ou seja, em função dos neurônios que estão solicitando mais nicotina, para derramarem mais hormônios psicoativos, que lhe provocarão sensações de bem estar e prazer.

  São os 'bichinhos' reagindo, querendo dominá-lo.  Eles sentem que estão sendo dominados por você, e reagem.

  Tudo isso passará! Utilize esses momentos para exercitar a sua paciência, pois, a sua recompensa será enorme!

  Somente quem passou por estas dificuldades, pode avaliar.

  A confiança num amanhã melhor lhe dará a paciência necessária para que possa esperar o dia em que não fumará mais, mediante esforços empreendidos na luta, a cada momento, contra os 'bichinhos'.   

 Não desista!  Continue na sua luta.  Ela é, somente, sua.

  Fortaleça-se na oração.

  Beba muita água, faça exercícios mentais de autocontrole, de respiração, exercícios físicos moderados e caminhadas; porque o próprio organismo produzirá os hormônios, que lhe causarão as mesmas sensações de bem-estar.

  Continue com os procedimentos anteriores: cheire o maço de cigarros, a cada cigarro, conforme já orientado.  O mal estar que sentirá é necessário para gravar na sua consciência quão horrível é fumar.  Isto parecerá bobagem, mas, não nos esqueçamos de que sabemos pelo que estamos passando e do objetivo final.

  É necessário crer neste método para continuar e vencer.

  Este "crer neste método", significa ter a lucidez de que, através de uma postura mental racional, dirigida e controlada em adquirir novos hábitos, uma nova forma de pensar, de observar e de atribuir valor às coisas, o conduzirá ao objetivo final.

  Lembre-se de que chegou até aqui, pelo método.

  Já faz mais de seis meses que você iniciou esta luta; repare como está diferente: mais fortalecido, mais confiante e vigoroso; o seu rendimento físico no trabalho, no laser, no convívio social está bem melhor, sente-se como se estivesse com "um motor novo", apesar de sentir momentos passageiros e controláveis de inquietação e irritação.

  Repare sua pele mais limpa; seus dedos sem cheiro e sem o amarelão dos fumantes; repare no seu paladar, no ambiente despoluido do cigarro que fumava.

  Os seus familiares, a quem você havia transformado em fumantes passivos, não mais o são.  Enfim, não dá para retroceder.  Estes momentos, cada vez menos difíceis, serão esporádicos, acredite.

  Lembre-se de que você fumou durante muitos e muitos anos.  Não será num passe de mágica que deixará de fumar.

  É claro que existem pessoas que o fizerem de uma única vez.  Após algumas tentativas, resolveram parar e conseguiram.  Isto é possível, basta desejar e realizar.

  Escolha: Entre um câncer de pulmão, de esôfago ou de faringe...; um efizema pulmonar, falta de ar, tosse, mau cheiro, perder a língua ou a mandíbula...; transformar os seus familiares em fumantes passivos, fazendo-os correr os mesmos riscos de contrair as doenças provocadas pelo tabagismo ou você prefere sofrer esta ansiedade por um ou dois anos e, posteriormente, livrar-se de todo este problema que o atormenta há anos ?

  A escolha é racional.  Será você  mesmo quem sofrerá as conseqüências pela decisão que tomar; você e aqueles a quem faz ser fumante passivo.

  Portanto, vá para a fase seguinte; se tiver recaída, não desanime, recomece e vá em frente; perde-se uma luta mas não a guerra.

   Boa sorte! Muita confiança, coragem e paciência, estas virtudes estão dentro de você; extraia-as de si mesmo!  

3) TERCEIRA FASE: 

Término do programa e início da tomada de decisão.    

  Manter os mesmos procedimentos da segunda fase.

  Decorridos, mais ou menos, nove meses desta fase, o seu organismo estará muito mais desintoxicado, sua pele, mãos e roupas, mais limpas. O seu corpo não exala mais o odor característico do fumante; o seu paladar está mais apurado...

  Psicologicamente, você estará mais fortalecido e consciente; apesar de, ainda, estar com os sintomas indesejáveis, se bem que muito menos intensos e esporádicos.

Para tomar a decisão definitiva de parar de fumar, falta cumprir a próxima fase, dentro dos procedimentos costumeiros.

  Ou será que você já se considera apto para tal decisão?

  Se você já estiver preparado para tomar a decisão final, tome-a !

4)  QUARTA FASE: Tomada de decisão definitiva

Esta será a última fase a cumprir.  Não significa que tudo estará como "um mar de rosas", pelo contrário, ainda estará lutando contra os 'bichinhos'.  Porém, você estará mais fortalecido, mais controlado e consciente; sem o condicionamento mental e psicológico que tinha, antes deste plano.  Os neurônios específicos, receptores da nicotina, estarão readaptados a quantidades menores dessa substância.  Os sintomas provenientes da crise de abstinência estarão mais suaves e suportáveis.  Com paciência você os eliminará totalmente.

Nesta fase, durante um curto período de mais ou menos dois meses, permaneça fumando uma quantidade mínima de cigarros e prepare-se, mental e psicologicamente, para não fumar mais nenhum.

  Quando a vontade de fumar for irresistível, mesmo, você deverá cheirar  o maço e o cigarro, procurando não fumá-lo.  Se não conseguir, tudo bem, você já o tem sob domínio, fume-o com prazer (como já sabe).  Fique atento e não fume mais nenhum.  A luta é constante, durante meses, mas no final, terá valido à pena.

  Você passará a fumar somente nestes casos e desta maneira: quando a vontade for irresistível, fumar saboreando-o (ver páginas 17 e 53).

  No decorrer do dia, você sentirá a necessidade de fumar pelos motivos já conhecidos.  Lembre-se de que o seu organismo estará exigindo a nicotina.

  Estes sintomas passarão, a sua intensidade e freqüência diminuirá.

  Quanto menor quantidade tóxica você ingerir, com o passar do tempo, menor quantidade o seu organismo irá solicitar.  Faça a seguinte observação:

  Ao fumar um cigarro, num momento qualquer, perceba que o seu organismo o rejeitará; sentirá tonturas, mal estar...

  É sinal de que há um encaminhamento ao seu objetivo.

  Lute!  Releia o item II do cap. IX.

  Portanto, nesta quarta e última fase, você deverá fumar durante dois ou três meses, alguns cigarros por dia, que serão aqueles já vistos no início.

  Após este período, você já estará pronto para tomar a decisão final de parar de fumar.  

  O desejo de fumar, ainda, existe.  Porém, é muito menos intenso e mais controlado do que antes deste programa; não mais sofrerá com a crise de abstinência. Os sintomas que surgirem, serão de leve intensidade e possíveis de serem controlados; até que desapareçam, definitivamente.

  Daqui em diante, dependerá somente da sua boa-vontade, pois, os seus hábitos estão renovados e a sua dependência química está muito mais suave.

  Cada um de nós tem o seu tempo, a sua força e vontade.

  Vá em frente, desperte, lute!

  A tentação estará rondando você; os 'bichinhos' estarão querendo voltar; não permita! apesar da dificuldade, a sua pior fase já passou.

  Quem lhe escreve é alguém que utilizou-se deste método e conseguiu vencer o vício, libertando-se.  Outros que acreditaram, também, conseguiram.  

Reflita: Durante muitos anos, você fumou e sentiu prazer nisso. Agora,  para libertar-se, você deverá levar algum tempo. 

Após esta luta, muitos outros anos virão, nos quais você viverá livre das perspectivas terríveis das doenças que, inexoravelmente, atingem os fumantes ativos e passivos; nem sequer se lembrará de que, outrora, tenha sido um fumante.

  Para desintoxicar-se, totalmente, o seu organismo levará mais de oito anos.  Os 'bichinhos' desejarão voltar com sutileza.  Fique atento!

  As crises do primeiro, do terceiro ou do quinto ano ocorrerão.  Elas são reações relativas a cada um.  Você deverá resistir a estes momentos passageiros.     

  Peça ajuda aos seus familiares para que sejam rigorosos com você, para que lhe chamem a atenção quando estiver fraquejando.

  Continue com muita água e com os procedimentos comuns...

  Você sentirá o momento em que a sua libertação ocorrerá.  

Agradeça a Deus, nosso Pai Criador

 e a Jesus, nosso Divino Amigo e Único Mestre.  

CAPÍTULO XI

A MANUTENÇÃO DA DECISÃO ÍNTIMA DE PARAR DE FUMAR

 

  A motivação deverá ser, sempre, a esperança de melhorar a condição de vida, no sentido de ser mais feliz, mais livre e com a consciência isenta de culpas ou de remorsos, pelo fato de fumar, prejudicando-se a si mesmo e aos seus entes queridos.

  Acontece que, geralmente, buscamos esta condição de felicidade, sem querer empregar esforços, pois, equivocadamente, temos como padrão de felicidade, o ócio, o fazer nada, a satisfação das nossas sensações.  Porém, jamais o esforço ou o trabalho, que nos engrandece e nos dignifica, são motivos de felicidade.          

  No entanto, se procurarmos observar, perceptivamente, verificaremos que a solução de qualquer problema, sob quaisquer aspectos que se apresentarem, implicará na formulação de outros problemas menores, que deverão ser solucionados, também.

  Sendo, pois, o esforço próprio e o trabalho as ferramentas necessárias para a solução dos problemas, estes dois fatores serão, então, os agentes que promoverão a evolução e o amadurecimento do ser.

  Substituindo a palavra problema pela palavra dificuldade, para manter-se a decisão íntima de parar de fumar, será preciso identificar as dificuldades que serão criadas, pela nossa decisão, e enfrentá-las.

  A aplicação do esforço individual deverá contar com a sua  boa vontade e esta, por sua vez, com a sua coragem, confiança e bom ânimo em resistir para não ceder, diante das pequenas dificuldades que encontrará.                        

  Veja, na natureza, os exemplos de resistência das criaturas para sobreviverem e cumprirem com a finalidade da sua existência:

A árvore resistindo ao vento: Ela é movimentada, agitada, envergada, porém, ela se
esforça e resiste à intempérie para sobreviver;
A semente, para germinar e nascer transformada: Tem de lutar para vencer a polpa, a casca e a terra a fim de não perecer; Vejamos a luta do nosso Astro-Rei, o Sol, para fazer com que a sua luz chegue até nós e nos propicie a vida; A luta e o sacrifício da Terra e dos seres orgânicos, durante a sua evolução geográfica e biológica, para nos oferecer esta relativa estabilidade que usufruímos; Repare ao derredor os companheiros, do dia a dia:  estão todos com as suas lutas e aprendizados, caindo e reerguendo-se.

  Tudo é movimento, é vida!  Porquê teria de ser diferente conosco?

  Devemos resistir aos fatores que alteram o nosso equilíbrio. Mas não poderemos fazê-lo sem que nos esforcemos e sem que sacrifiquemos algo de nós.

  Devemos observar e considerar as vantagens que teremos, empregando este esforço para nos manter longe do vício.

  A árvore, não resistindo ao vento, tombará!

  A semente, não se esforçando para germinar, sucumbirá!

  Os companheiros do dia a dia, não resistindo, serão desertores do próprio progresso, que se conquista pela superação das dificuldades.

  Assim, também, nós, não resistindo ao impulso dos bichinhos, retornaremos ao vício e ele nos destruirá, com todos os seus incômodos e doenças conhecidas, provocando, em nós, no futuro, muita dor e sofrimento.

  Então, manter-se não fumante, será lutar por princípios, pela auto    libertação e estima, como Espíritos e como Homem, da escravidão dos costumes impostos através dos conceitos materialistas, ideológicos e dogmáticos.

  Desta forma, seremos a força, a semente, o Sol e a luz de nós mesmos e, posteriormente, capazes de auxiliar o próximo, nesta mesma luta.

  "É amando que seremos amados;

  É compreendendo que seremos compreendidos";

  É servindo que seremos servidos;

  É auxiliando a alguém a parar de fumar que deixaremos de fumar...

  Para a manutenção da sua decisão, é preciso estar sempre atento à leitura deste trabalho, como um auxiliar que lhe orientará no proceder, quando da dificuldade em superar a vontade de fumar.

 Lembre-se de que esta vontade, já decorrido quase um ano, será bem suportável, mais amena e controlável por causa da renovação que você promoveu em si mesmo, nos aspectos do descondicionamento do hábito de fumar e dos novos valores que adquiriu.

  Reler os capítulos III, VII, VIII, IX e X.

  Não esqueça de que o tempo dedicado a este objetivo, fará você esquecer-se do vício de fumar.  Enquanto o tempo passar, é preciso a sua dedicação, o seu esforço, a sua luta cumprindo com o exposto neste trabalho.  

 Será um ou dois anos de dedicação para viver bem, livre deste problema grave,  as dezenas de anos restantes desta sua presente vida. 

Você conseguirá!  Realize!  Faça acontecer!

Felicidades!

 

Autor: José Carlos D'Angelo - Desenvolvido por RHD  Apoio: Estopal Ltda.